Ácido fumárico: remédio para o tratamento da psoríase

O ácido fumárico é um ácido insaturado dibásico, encontrado na fumária (Fumaria officinalis), cogumelo-bolete (Boletus fomentarius) e no musgo-da-Islândia (Cetraria islandica). O ácido fumárico é um acidulante alimentar utilizado desde 1946, sendo acrescentado em bebidas e usado como um substituto para o ácido tartárico e, ocasionalmente, para o ácido cítrico.

Como é produzido o ácido fumárico?

Aloe vera (Babosa)

Em condições normais, o ácido fumárico é formado na pele quando a mesma é exposta à luz solar. Portadores de psoríase possuem uma falha bioquímica na qual não conseguem produzir quantidades suficientes de ácido fumárico e, consequentemente, necessitam de uma exposição mais prolongada ao sol (esta é uma razão pela qual alguns pacientes frequentemente observam uma melhoria da condição da pele durante o verão). O ácido fumárico é encontrado na fumária, cogumelos boletus, líquen e musgo-da-Islândia.

Estudos científicos

Em 1959, o químico alemão Walter Schweckendiek relatou os benefícios do ácido fumárico no tratamento da psoríase. Schweckendiek era portador da doença e supôs que os distúrbios no ciclo de citrato poderiam resultar no aparecimento clínico de lesões psoríaticas. Ele tentou várias formas de fumaratos em si próprio e desenvolveu uma mistura de diferentes ésteres de ácido fumárico (FAES), com maior eficácia e biodisponibilidade do ácido fumárico em si próprio. Desde então, o ácido fumárico tem sido utilizado experimentalmente vários médicos, principalmente na Alemanha e na Holanda. Nos últimos anos, a eficácia da FAEs foi provada ensaios clínicos controlados.

Há uma evidência crescente de que o ácido fumárico pode ajudar a manter a psoríase sob controle. Este tratamento envolve o uso de um éster de ácido fumárico, comumente usado na indústria alimentícia como aditivo alimentar, em substituição ao ácido cítrico. As cápsulas de éster de ácido fumárico têm sido utilizadas em ensaios clínicos na University Medical Centers na Suíça, Alemanha, Japão e Holanda. Em um estudo recente, 80 por cento dos 285 pacientes envolvidos relataram melhora acentuada, e 52 por cento dos pacientes estavam completamente livre de lesões psoriática. O ácido fumárico também pode beneficiar pacientes que sofrem de esclerose múltipla.

Contraindicações e efeitos colaterais do ácido fumárico

Alguns efeitos colaterais foram observados em pacientes que utilizaram ácido fumárico, incluindo distúrbios gastrointestinais ou renais, vermelhidão da pele (que são causadas principalmente pela ingestão em excesso). Alguns relatórios alertam para uma possível toxicidade do ácido fumárico. Possivelmente a substância pode irritar os olhos, a pele e o trato respiratório.

Referências:
Altmeyer P, Matthes U, Pawlak F et al. Antipsoriatic effect of fumaric acid derivatives. Results of a multicenter double-blind study in 100 patients. J Am Acad Dermatol 1994; 30: 977±81.
Mrowietz U, Christophers E, Altmeyer P. Treatment of psoriasis with fumaric acid esters. Results of a prospective multicentre study. Br J Dermatol 1997; 138: 456±60.
van Dijk, E. Fumaarzuur voor de behandeling van patienten met psoriasis. Ned Tijdschr Geneeskd. 1985; 129(11):485-86.
Altmeyer PJ, Matthes U, Pawlak F, Hoffmann K, Frosch PJ, Ruppert P, Wassilew SW, et al. Antipsoriatic effect of fumaric acid derivatives. Results of a multicenter double-blind study in 100 patients. J Am Acad Dermatol. 1994; 30(6):977-81.

Comentários

3 Comentários

  1. Gostaria muito de saber quais sao as vngaatens e as desvngaatens do meu tipo sanguineo: B- ,principalmente em relacao ao combate a doencas.Ass.: Andre Luiz Geraldo Sampaio

  2. Francisco

    Porque esse texto não pode ser selecionado, copiado e colado?

    Réplica – Esse tipo de proteção contra cópia no site foi colocada devido aos inúmeros casos de plágios de outros sites e blogs na internet, que copiavam e colavam o nosso conteúdo sem nenhum tipo de menção ao artigo original. Infelizmente, devido a esse tipo de atitude de poucos, muitos leitores foram prejudicados.

Comentar