Agoniada (Plumeria): benefícios e propriedades medicinais

A agoniada (Plumeria lancifolia) é uma planta medicinal também conhecida como agonia, agonium, arapou, arapuê, arapuo, colônia, guina-mole, jasmim-manga, quina-branca, quina-mole, sacuíba, sucuba, sucuriba, sucuúba, tapioca, tapouca, tapuoca, dentre outros nomes populares. Pertence à família Apocynaceae.

Benefícios da agoniada

A agoniada possui propriedades purgativas, anti-helmínticas, febrífugas, antidepressivas, antiasmáticas, anticonceptivas, laxantes, antiespasmódicas, sedativas, anti-inflamatórias, emenagogas e é coadjuvante em tratamentos de doenças da pele e linfangites. Alguns estudos indicaram o uso da planta em uma gama maior de tratamentos como de câncer, infertilidade, toxicologia embrionária, além de terem descoberto efeitos antimutagênicos, antimicrobianos, antioxidantes, anti-inflamatórios e analgésicos em várias espécies.

De acordo com pesquisas da University of Rajasthan (Universidade do Rajastão), na Índia, várias espécies do gênero Plumeria podem auxiliar no tratamento do HIV. A Plumeria rubra contém fulvoplumierina, substância que atua como inibidora de humanos do vírus da imunodeficiência tipo 1 (HIV). Já o ácido ursólico das folhas, o ácido plumérico do látex e das folhas e a fulvoplumericina da casca da Plumeria rubra possuem atividade anestésica, cardiotônica e bacteriostática (os bacteriostáticos são agentes quimioterápicos da classe dos antibióticos que detêm o crescimento de determinadas bactérias, dificultando sua proliferação e deixando ao sistema imunitário a tarefa de eliminar as bactérias que já estão presentes no organismo).

Benefícios da agoniada para a saúde da mulher

O chá da Plumeria lancifolia possui um papel muito importante na saúde da mulher, vez que auxilia a regular menstruações, aumenta o leite materno, alivia cólicas menstruais e uterinas, bem como ajuda em casos de inflamações e congestão do útero e ovários, quaisquer indisposições nas épocas menstruais, e revitaliza órgãos genitais debilitados. Tribos da etnia Guarani usam a agoniada como medicação tradicional em casos de malária, sendo conhecida regionalmente como guina-mole, quina-branca e quina-mole. Além disso, também é utilizada em casos de febres, cólicas menstruais, problemas gástricos, histeria e como purgante.

Outra característica própria da agoniada é seu poder antiespasmódico, sedativo e analgésico. A Plumeria lancifolia é capaz de auxiliar em casos de ansiedade, TPM, corrimentos vaginais, constipação intestinal, gases, edemas, além de atuar como diurético, proteger a mucosa gástrica e auxiliar na regulação dos ciclos menstruais. O chá de agoniada pode ser feito colocando as folhas em água fervente ou compressas de folhas cozidas para serem colocadas sobre os órgãos genitais debilitados, ou mesmo sobre os seios de mulheres parturientes.

Contraindicações e efeitos colaterais da agoniada

O uso contínuo desta erva pode ocasionar esterilidade, bem como não deve ser administrada sem consulta a um profissional de saúde em mulheres gestante, lactantes ou que queiram engravidar, e também não deve ser consumida por crianças. Outro efeito colateral se dá com o uso da casca da planta em doses elevadas, pois pode provocar alucinações e levar à morte.

História e curiosidades

Os índios costumavam usar as sementes desta erva como colares, maracás, chocalhos e diversos outros enfeites em dias de festa, além de ser usada como adorno.

Referências:
Hasan, Aidroos M., et al. “A brief review on chemical constituents of some medicinally important species of the genus Plumeria.” Asian Journal of Chemistry 9.4 (1997): 571.
Choudhary, Manjusha, V. Kumar, and S. Singh. “Phytochemical and pharmacological activity of genus Plumeria: an updated review.” Int J Biomed Adv Res 5.6 (2014): 266-271.

Comentários

Comentar