Artemisia vulgaris

Artemisia vulgaris

A artemísia-comum ou verdadeira (Artemisia vulgaris) é uma planta medicinal também conhecida como flor-de-Diana, artemísia-branca (A. lactiflora), artemísia-ocidental (A. ludoviciana), dentre outros nomes populares. Pertence a família Asteraceae.

Benefícios da artemísia

Historicamente, a artemísia é utilizada para o tratamento de uma variedade de doenças do trato digestivo. Reduz a inflamação dos tecidos intestinais e seu extrato é indicado para o tratamento da diarreia e prisão de ventre, aliviar dores de estômago e cólicas, além de auxiliar na digestão, aumentando o fornecimento de nutrientes para as células. Também pode melhorar a digestão e estimular o apetite. Algumas variedades de artemísia também são conhecidas por combaterem nematelmintos e vermes intestinais.

Combinada com outras ervas, serve para prevenir a dirofilariose, também conhecida como verme do coração, uma doença parasitária que ocorre em cães e que também pode afetar gatos e até mesmo seres humanos. As larvas do parasita Dirofilaria imitis são depositados por meio da picada de mosquitos do gênero Aedes, Culex e Anopheles. Ao penetrarem no organismo por meio da pele e da musculatura, as lavras alcançam os vasos sanguíneos e se alojam em regiões vitais, podendo provocar uma redução considerável da função cardíaca, dificuldades respiratórias e tosses crônicas. O composto elaborado com artemísia para esses casos é administrado aos infectados cerca de uma vez por mês e agê como um vermífugo geral.

A artemísia é um purgante moderado. Usada em compressas ou cataplasmas para juntas artríticas, contusões e picadas de inseto. Unguento para inchaços. Lavagem para gota e infecção fungosa. Gargarejo para dor de garganta. Algumas vezes é defumada para aliviar a asma. Embora tenha um gosto muito amargo, já foi utilizada na culinária europeia para fazer bolinhos, linguiças, saladas e outros pratos. É acrescentada a cervejas, vermutes e absintos. É composta de óleo essencial (linalol, cineol, tujona, borneol, pineno), princípio amargo, flavonoides, lactonas de sesquiterpenos (vulgarina), tanino, resina e inulina.

Contraindicações e efeitos colaterais da artemísia

Não deve ser utilizada em doses grandes interiormente ou por períodos estendidos. Deve ser evitada durante a gravidez. Grandes quantidade podem afetar o sistema nervoso adversamente.

História e curiosidades

A A. vulgaris é originária da Ásia, Europa e África. É um arbusto perene que cresce até 2 metros de altura. O nome de gênero, Artemisia, foi nomeado em homenagem à Artemis, deusa romana da caça e protetora das mulheres. A planta foi considerada como uma das nove ervas curativas pelos anglo-saxões. Os romanos colocavam a erva em suas sandálias para protegerem os pés.

Acreditava-se que a planta possuía poderes mágicos e, por isso, foi utilizada em forma de talismã proteger a pessoa do mal. A lenda diz que São João Batista, quando vivia na selva, usava uma cinta ornada com artemísias e, em decorrência desta história, um dos nomes populares atribuídos a planta é erva-de-São-João.

Referências:
Natural Herbs for Heartworm Prevention. Livestrong.
SA Dirofilariose Canina – a doença do coração. Scalibor. Protectorband.



  • Comentar

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    RESUMO:

    Benefícios, propriedades e efeitos colaterais da artemísia – Artemisia vulgaris, planta medicinal também conhecida como artemísia-comum e erva-de-São-João.

    Revisado e atualizado em 06.12.2016.