Benefícios do chá de pata-de-vaca contra o diabetes

A pata-de-vaca (Bauhinia fortificata) é muita utilizada no combate ao diabetes na Amazônia e em toda América do Sul, sendo inclusive uma planta que pertence ao RENISUS (Relação de Plantas Medicinais de Interesse do SUS).

Benefícios do chá de pata-de-vaca contra o diabetes

O chá de pata-de-vaca proporciona resultados tão bons em diabéticos que é conhecida como insulina vegetal, dada a sua capacidade de reduzir os sintomas do diabetes. A pata-de-vaca, além de diminuir o açúcar no sangue, também reduz os triglicerídeos, colesterol total e o LDL-colesterol (colesterol ruim) em diabéticos, auxiliando no tratamento da diabetes mellitus tipo II. Além de ser usado no tratamento do diabetes mellitus, o chá de pata de vaca é um ótimo diurético, útil para os rins e sistema urinário, incluindo ajuda no tratamento da poliúria (aumento do volume urinário), cistite, pedras nos rins e outros distúrbios renais.

O kaempferitrin, substância presente na planta, além de reduzir o açúcar no sangue, pode ajudar a reparar danos às células renais, possuindo efeitos diuréticos e antioxidantes. Um estudo realizado no Chile em 1999 apontou propriedades antidiabéticas em ratos. Tal estudo determinou que a pata-de-vaca diminuiu em 39% os níveis de açúcar no sangue em ratos diabéticos. Em 2004, um grupo de pesquisa também observou que além de apresentar propriedades antioxidantes, a pata-de-vaca também reduziu os níveis de triglicérides e o colesterol total Os estudos também indicaram que não houve efeitos tóxicos em ratos, seja os mesmos diabéticos ou normais, incluindo ratos diabéticos grávidas.

Como preparar o chá de pata-de-vaca

O chá da pata-de-vaca é preparado usando uma colher de chá do pó da planta em cada xícara de água fervente por cerca de 10 minutos. O chá é consumido cerca de duas a três vezes por dia, normalmente após as refeições para equilibrar o açúcar no sangue.

Contraindicações e efeitos colaterais do chá de pata-de-vaca

A pata-de-vaca pode potencializar o efeito de drogas antidiabéticas, além não ser indicado o uso para pessoas com hipoglicemia.

Diabéticos devem consultar um profissional da saúde competente antes de iniciar o uso regular da planta, vez que a dosagem dos remédios de insulina poderão necessitar de ajuste.

Referências:
Antidiabetic Activity of Bauhinia forficata Extracts in Alloxan-Diabetic Rats. Department of Physiology and Pharmacology, Federal University of Ceará.
Evaluation of toxicity after one-months treatment with Bauhinia forficata decoction in streptozotocin-induced diabetic rats. Maria Teresa Pepato*, Amanda Martins Baviera, Regina Célia Vendramini and Iguatemy Lourenço Brunetti. Department of Clinical Analyses, Araraquara School of Pharmacy, São Paulo State University (UNESP).

Comentários

Comentar