Colônia: benefícios e propriedades medicinais

A colônia (Alpinia speciosa) é uma planta medicinal também conhecida como flor-de-colônia, gengibre-concha, gengibre-casca, macacá, macassá, lírio-rosa-de-porcelana, lírio-de-Santo-Antônio, jardineira, pau-santo, boca-de-dragão, palo santo e boca de dragón (espanhol), shellflower e shell ginger (inglês), dentre outros inúmeros nomes populares. Pertence a família das Zingiberáceas.

Benefícios da colônia

As propriedades medicinais da planta colônia se concentram principalmente nas suas folhas e rizoma. Na medicina popular, o óleo essencial das folhas é utilizado para reduzir a pressão alta e como um tônico cardíaco. Em outras partes do mundo, é considerada balsâmica, diurética e tônico estomacal, sendo tradicionalmente usada para resfriados, gripes, febres, flatulência, problemas estomacais e indigestão. Possui ação antioxidante e também é conhecida por matar bactérias. Em forma de decocção combate fungos e alivia dores e espasmos.

Em estudo realizado pelo Departamento de Fisiologia e Farmacologia da Universidade Federal do Ceará, os efeitos antioxidantes do óleo essencial de Alpinia zerumbet (EOAZ) foram analisados e os resultados sugeriram que os efeitos antipsicóticos e antioxidantes do óleo essencial podem ter eficácia promissora para o tratamento da esquizofrenia.

Contraindicações e efeitos colaterais da colônia

Não deve ser utilizada durante a gravidez. Pode ser abortiva. Também não é indicada para pessoas hipotensas (pressão arterial baixa).

História e curiosidades

A colônia pertence à mesma família do gengibre, sendo uma planta nativa da região tropical da China, Japão, Índia, Vietnã, Cambodja, Tailândia e Malásia. É amplamente cultivada e distribuída nas áreas tropicais e subtropicais do Brasil, Peru e Estados Unidos. A colônia é um arbusto perene que cresce em touceiras em posição vertical em climas tropicais, sendo comumente chamada de gengibre-casca ou gengibre-concha devido sua casca rosa, em forma de botão, que relembra as conchas do mar. Produz rizomas carnosos muito parecidos com o gengibre, inclusive com aroma semelhante.

O gênero Alpinia compreende mais de 230 espécies da família das Zingiberáceas. Inclui os sinônimos botânicos Alpinia zerumbet, Alpinia nutans, Costus zerumbet, Catimbium speciosum, Languas speciosa e Zerumbet speciosum. A planta foi botanicamente denominada Alpinia speciosa, mas foi normalizada como Alpinia zerumbet. Possuem flores brilhantes e chamativas, por isso são apreciados como plantas ornamentais. As flores se adaptam melhor a ambientes úmidos, solos bem drenados e sol pleno, condicionadas em semi-sombra. As plantas não produzem flores até o segundo ano. A espécie Alpinia speciosa faz parte da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS).

Referências:
de Araújo, Fernanda Yvelize Ramos, et al. “Inhibition of ketamine‐induced hyperlocomotion in mice by the essential oil of Alpinia zerumbet: possible involvement of an antioxidant effect.” Journal of Pharmacy and Pharmacology 63.8 (2011): 1103-1110.
Chompoo, J., et al. “Effect of Alpinia zerumbet components on antioxidant and skin diseases-related enzymes.” BMC Complement Altern Med. 2012 Jul 24;12:106.

Comentários

4 Comentários

  1. Hamilton Freitas da Silva

    Tenho pés de colônia em minha residência e, só faço uso das flores dentro de uma garrafa com álcool para fazer inalação.
    Gostaria de saber outros usos e principalmente de outras partes da planta e como preparar.
    Agradeço…
    Hamilton.

  2. Rita de Cassia de Castro Uruguay

    Eu uso para osteoporose. Num vidro esterelizado coloco flores de colônia, cubro com alcool de cereais, guardo ao abrigo da luz por 15 dias sacudindo pelo menos um,a vez por dia.Molho gaze no líquido e passo onde estou com osteoporose e a melhora tem sido muito grande.

  3. tenho a colonia em casa e usu-a como calmanye mas a pouco tempo descobri suas inumeras propriedades ,ela tambem e ansiolitica e linda boa para a saude e para um jardim.

Comentar