Benefícios do crajiru no tratamento do câncer

O crajiru (Arrabidaea chica) é uma planta medicinal brasileira também conhecida popularmente como carajurú, carajiru, guarajuru, chica, cipó-cruz, cuíca, pariri, paripari e piranga. Atualmente, as mudas de crajiru são cultivadas por todo o Brasil e novas pesquisas indicam a existência de várias propriedades do crajiru no tratamento contra o câncer.

Benefícios do crajiru no tratamento contra o câncer

Há muitos relatos, na região sudeste do Brasil, de que esta espécie esteja sendo utilizada no tratamento do câncer, sendo considerada uma precursora no aumento de células sanguíneas. O uso terapêutico para este fim está diretamente ligado à quimioterapia ou radioterapia, vez que durante estes tratamentos o paciente sofre drásticas reduções das células do sangue, tornando difícil a continuação do tratamento. Estudos realizados apontaram que o crajiru interfere no aumento das concentrações de hemácias e plaquetas durante o tratamento quimioterápico.

Essa diferença entre os dois tratamentos se dá porque o crajiru se encaixa no tipo de tratamento fototerápico, ou seja, quando há exposição direta à radiação não ionizante, (luz na faixa do visível e infravermelho próximo) para uso terapêutico e da fotoquimioterapia, na qual há a combinação de uma substância química fotossensível com radiações eletromagnéticas não ionizantes.

A grande vantagem desse tratamento é a combinação de três unidades inofensivas que juntas criam um padrão altamente tóxico para as células cancerígenas e por isso tem sido aplicada como tratamento a uma grande variedade de neoplasias malignas. Após trabalhos realizados com a terapia fototerápica para controlar câncer de mama resistente às terapias convencionais, a planta vem sendo utilizada, principalmente como adjuvante no tratamento de câncer de mama recorrente.

Outras propriedades do crajiru

Ele tem propriedades anti-inflamatórias, antitumorais, antimicrobianas, antianêmicas, afrodisíacas e adstringentes. Age como regulador do sistema digestivo, estômago, fígado e intestinos, podendo ser utilizado em casos de cólicas intestinais, diarreias, colites, enterocolites (inflamação do intestino delgado e do cólon, responsável por provocar cólicas, diarreia, vómitos, mal-estar e febre) e disenterias.

O crajiru também auxilia em afecções de pele de um modo geral, albuminúria, conjuntivite, feridas, hemorragias, inflamação uterina, icterícia, inflamações uterinas e ovarianas, lavagem de feridas e leucemia. O crajiru pode ser utilizado como cosmético, em pomadas e cremes ou mesmo em forma de tinturas para cicatrização de acne, diminuição da inflamação e da vermelhidão da pele.

Contraindicações e efeitos colaterais do crajiru

Até o momento não foram reportadas quaisquer contraindicações ou efeitos colaterais relativos ao uso do crajiru. Não deve ser usado por pessoas que tenham hipersensibilidade ao ácido anisíco, cajurina, taninos, bixina, saponina, ferro assimilável e cianocobalamina. Um profissional de saúde deve ser consultado antes da administração da erva em grávidas, lactantes, crianças e pessoas em tratamento clínico.

Referências:
Silva, Renata Carvalho. “Fototoxicidade de nanoemulsão de extrato de crajiru (Arrabidaea chica) em linhagem de células de adenocarcinoma mamário murino (4T1).” (2014). PDF.
NASCIMENTO, SHIRLEY FERREIRA DE OLIVEIRA. “CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA CITOTOXICIDADE DO EXTRATO HIDROETANÓLICO DE Arrabidaea chica (Humb. & Bonpl.) B. Verlot. EM LINHAGENS DE CÉLULAS HUMANAS.”
Taffarello, Denise, et al. “Atividade de extratos de Arrabidaea chica (Humb. & Bonpl.) Verlot obtidos por processos biotecnológicos sobre a proliferação de fibroblastos e células tumorais humanas.” Química Nova (2013).

Comentários

Comentar