Pinhão-roxo: benefícios e propriedades medicinais


O pinhão-roxo (Jatropha gossypifolia) é uma planta também conhecida como pinhão-de-purga, pinhão-paraguaio, pinhão-bravo, pinhão, pião, pião-roxo, mamoninho, purgante-de-cavalo, american purging nut (inglês), dentre outros nomes populares. Inclui o sinônimo botânico Adenoropium gossypifolium. e pertence à família Euphorbiaceae.

Benefícios do pinhão-roxo

O pinhão-roxo pode ser utilizado como purgativo, vez que os glicosídeos presentes na casca de suas sementes agem como estimulantes da musculatura gastrointestinal. Também é útil para o tratamento de gota e outros tipos de reumatismo. Quando usado topicamente, o macerado das folhas possui ação sobre aftas na mucosa bucal e hemostática ao estancar o sangue, vez atua na coagulação do sangue de forma hemaglutinante (aglutina os glóbulos vermelhos do sangue).

Quando misturado misturado com óleos puros, acelera a cicatrização de furúnculos. Os óleos presentes nas sementes têm características adequadas ao consumo humano, estando dentro das especificações da Organização Mundial da Saúde (OMS). No extrato do pinhão-roxo pode ser encontrado taninos catéquicos e flavonoides, sendo que ambos têm ação contra extrato Staphylococcus aureus e Candida albicans, além de potencial antioxidante.

Contraindicações e efeitos colaterais do pinhão-roxo

O pinhão-roxo deve ser utilizado com muita precaução, visto que suas folhas e frutos são tóxicos quando usados em excesso, vez que possuem uma toxina chamada toxalbumina. Os sintomas vão desde náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarreia mucosa e sanguinolenta, até dispneia, arritmia e parada cardíaca.

O contato com o látex da planta ou mesmo com seus espinhos também pode causar dermatites de contato. A espécie apresenta potencial moluscicida, principalmente por apresentar saponinas na constituição de suas folhas e frutos, alvos de predadores como moluscos, insetos, larvas em geral e outros herbívoros.

História e curiosidades

O pinhão-roxo está distribuído no Brasil pela região Nordeste, Cerrado e Pantanal do Estado de Mato Grosso do Sul. É mais comumente encontrado em áreas tropicais, mas também pode se desenvolver em regiões sub-tropicais e semi-áridas. Além da importância toxicológica e medicinal, o pinhão-roxo possui uso industrial, vez que o óleo das sementes é utilizado para iluminação, fabricação de óleos lubrificantes, tintas e sabões. Estudos mostram ainda a possibilidade de utilização deste óleo vegetal como biocombustível.

O nome é originário do grego jatropha, que vem de iatrós (médico) e trophé (alimento). Gossypium é um nome dado por Caio Plínio Segundo (Plínio, o Velho) à planta, que é produtora de algodão, e folium, que significa folha, vez que o seu formato é semelhante a folha do algodoeiro.

A espécie Jatropha gossypiifolia faz parte da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS), constituída de espécies vegetais com potencial de avançar nas etapas da cadeia produtiva e de gerar produtos de interesse do Ministério da Saúde do Brasil.


Comentários

5 Comentários

  1. Liliane...

    Minha vó dizia que é excelente para quem sofre de miomas …se faz o chá e bebe . Depois que Deus a levou…. ela apareceu em sonho e ensinou para minha irmã que sofria com o problema de mioma.

  2. Janilda Florindo

    Bom, eu já sabia um pouquinho dos benefícios, mas agora já sabendo de todos os benefícios do pinhão roxo, melhor ainda! Eu posso aprovar, e garantir pq eu tenho um pé pequeno em casa e pra mim tem sido excelente pra curar ferimentos! ! Minha mãe sempre falava que é ótimo! ! Muitas vezes não damos valor e não acreditamos…….Mas é verdade! Um santo remédio medicinal! VALEU PESSOAL. ….ÓTIMO DIA À TODOS! BOM DIAAA…. 😉

  3. Rosa Virginia

    Adorei saber so o Pinhão Roxo!!Pois temos algumas especies aqui no Rio e, sabia sobre suas propriedades.

    Valeu!!

    Abraços daqui,

Comentar