Pitanga: benefícios e propriedades medicinais

A pitanga é o fruto da pitangueira (Eugenia uniflora), também conhecida como cerejeira-brasileira, pitanga-vermelha, pitanga-do-mato, brazilian cherry e surinam cherry (inglês). Pertence à família Myrtaceae.

Benefícios da pitanga

A pitanga é uma fruta rica em cálcio, vitaminas A, C, do complexo B, ferro e fósforo, e pode ser consumida in natura ou na forma de sucos, batidas, geleias e outras sobremesas caseiras. Para o preparo de geleias, por exemplo, basta usar a proporção de 1:2 de água e pitangas fervidas e coadas e depois juntar açúcar à mistura e cozinhar. A pitanga pode trazer benefícios para diabéticos, hipertensos, além de apresentar propriedades medicinais antivirais, antifúngicas, antitumorais e analgésicas.

A fruta apresenta ainda compostos fenólicos com ação hipoglicemiante, e, além disso, a pitanga causa a inibição das enzimas alfa-glicosidase, maltase e sucrase, que são moléculas que impedem a quebra das moléculas de açúcar no organismo e podem, desta forma, contribuir no tratamento do diabetes.

O extrato de pitanga é utilizado na indústria cosmética na fabricação de banhos de espuma, cremes, géis, loções shampoos e condicionadores, devido às suas propriedades remineralizantes, hidratantes e suavizantes, em decorrência da presença de glicídios, sais minerais, proteínas e vitaminas presentes na fruta. O ácido ascórbico em sua composição possui ação antioxidante e previne o envelhecimento precoce, que é reforçado pelo efeito de renovação celular através da ação dos alfa-hidroxiácidos.

Contraindicações e efeitos colaterais da pitanga

Não foram relatados efeitos colaterais decorrentes do uso nas bibliografias consultadas.

História e curiosidades

A pitangueira é uma árvore nativa da Mata Atlântica brasileira, em regiões de clima subtropical. Além do Brasil, as árvores podem ser encontradas na Ilha da Madeira em Portugal, América do Sul, América Central, América do Norte e África. Inclui os sinônimos botânicos Eugenia brasiliana, Eugenia costata, Eugenia indica, Eugenia lacustris, Eugenia michelii, Eugenia microphylla, Eugenia parkeriana, Myrtus brasiliana, Plinia pedunculata, Plinia rubra, Stenocalyx affinis, Stenocalyx brunneus, Stenocalyx dasyblastus e Stenocalyx glaber.

As pitangas podem ter as cores vermelha, amarela ou preta, além das cores dependentes de seu grau de maturação, como verde, amarelo, alaranjado até a cor vermelho intenso. A palavra “pitanga” vem do termo tupi pi’tãg, que significa “vermelho rubro”, em referência à cor mais comum do fruto. Os frutos não costumam ser produzidos comercialmente visto que são frágeis e o transporte os danificam facilmente, porém a planta é cultivada tradicionalmente em áreas domésticas como quintais e propriedades rurais.

A espécie Eugenia uniflora faz parte da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS), constituída de espécies vegetais com potencial de avançar nas etapas da cadeia produtiva e de gerar produtos de interesse do Ministério da Saúde do Brasil.

Comentários

2 Comentários

  1. Amable Scoralick

    A pitangueira da minha casa é linda e a árvore fica repleta de frutos! Quando estão bem vermelhas tem o sabor adocicado e saboroso! Gostei de saber das propriedades benéficas para a saúde! Aqui em casa ninguém come, apenas eu!

Comentar